RICARDO DA CRUZ E SOUSA

Arquitetura paisagista e Urbanismo

 
 

Natural de Lisboa, Portugal, Ricardo atua como arquiteto paisagista registrado desde 2006. É mestre em arquitetura paisagista com foco em planejamento ambiental pela Universidade da Califórnia, Berkeley. Ele recebeu o Prêmio Hester de Democracia Ecológica de 2012 e foi cofundador da organização ambiental sem fins lucrativos International Watershed Partners.
Em 2013, Ricardo mudou-se para o Equador, onde trabalhou como consultor e professor em Quito, Cuenca e Guayaquil. Sua pesquisa tem sido principalmente sobre adaptação às mudanças climáticas e redução do risco de desastres por meio de abordagens ecológicas.

Parque Urbano de Ponta Delgada, Portugal

Obra concluída em 2011
 

Localizado a norte da cidade, o parque representa um investimento total de 15 milhões de euros, com uma área de cerca de 30 hectares. O Parque começou a ser construído no final de 2007, com base num projeto levado a cabo por uma equipa multidisciplinar da Universidade de Lisboa. A primeira fase do Parque Urbano incluiu a modelagem de terras, criação de áreas

de convivência, passeios e circuitos de manutenção. Quase 6.600 árvores de 600 espécies diferentes foram plantadas. A segunda fase do projeto incluiu a construção do Club House e do Driving Range para a prática do golfe. Na terceira e última fase, um prédio de serviços e um estacionamento foram construídos.

Villa Azur, Cascais, Portugal

Obra concluída em 2009

O projeto de espaços exteriores da casa Villa Azur, localizado num terreno em frente ao mar, foi um projeto que teve início em 2008. O objetivo era criar diversos espaços com temas diferenciados de acordo com os requerimentos do cliente, um lago

artificial, uma piscina, um bar, uma fogueira, um campo de tênis e uma horta orgânica. Os materiais inertes e vivos foram selecionados de acordo com as condições locais para recriar os ecossistemas naturais das dunas e da floresta mediterrânica.

Canal 5 de Junio, Durán, Ecuador

Projeto concluído em 2016

O projeto de recuperação paisagística do canal de águas pluviais no setor 5 de Junio, Durán, é um projeto piloto de infraestrutura verde para ajudar a mitigar o problema de inundações e descontaminar a água através de um sistema de valas biológicas

que intercepta, retém e filtra a água de escoamento.O espaço foi pensado para ser seguro, especialmente para os mais jovens, oferecendo-lhes oportunidades de recreação e lazer, com duas quadras de ecovolley e um campo de futebol.

Projeto de Infraestrutura Verde para a Comunidade de Voluntad de Dios, Guayaquil, Ecuador

Em curso

Projeto comunitário de redução de inundações e recuperação de ecossistemas degradados. O canal é o elemento estruturante de toda a proposta. Pretende-se proteger as suas margens contra deslizamentos de terra através da construção de muros de pedra caliça e reflorestamento com espécies nativas. Este último ajudará a recuperar o habitat da fauna em perigo de extinção, como o bugio, o papagaio de Guayaquil e diversas

variedades de quirópteros. Na margem esquerda, no início do canal, uma bacia de retenção multiuso será construída, com pequenos quiosques ao seu redor. Ruas prioritárias serão pavimentadas e valas biológicas serão construídas para drenagem sustentável, permitindo a circulação de pessoas, veículos e bicicletas, independentemente das condições climáticas.

Passeio Marítimo de Oeiras, Portugal

Obra concluída em 2009

Em 2005, a pedido da cidade de Oeiras, iniciou-se o projeto da fachada atlântica de Fontaínhas, coordenado pela Universidade de Lisboa. Numa costa rochosa costeira e pontualmente íngreme entre duas pequenas praias que se distanciam 1100 metros, as praias de São João dos Maias e Paço

de Arcos. O projeto do Passeio Marítimo aposta na monumentalidade e pureza das paredes de granito lapidado e na pedra ardósia para conectar a terra e o mar em uma jornada de lazer, encontro e contemplação.

Arena Corinthians, São Paulo, Brasil

Obra concluída em 2015
 

Desenho da paisagem do estádio construído para a Copa 2014. O projeto da empresa americana SWA, teve a ideia de criar uma barreira ecológica ao redor do estádio. Foi criado um modelo de pavimentação, no qual o ponto alto é uma rampa frontal, com um espelho de água que ajuda

a formar uma nuvem que muda de cor. Outro detalhe é que o design do piso simula as listras da camiseta que o Corinthians usava, que é articulada com a iluminação exterior. O chão é em granito, com frisos que ajudam a drenar a água.

Publicações e outros estudos

  • ​Diretor de dissertação de mestrado, “Un manejo sostenible del ciclo urbano del agua para la remediación de los paisajes de agua degradados. Caso microcuenca Quebrada Santa Elena, Medellín, Colombia”, da Arq. Alejandra Morales. Universidad Pontificia Bolivariana, Medellín, Colombia.

  • ​Diretor do proyecto de pesquisa: “Evaluación del efecto de la infraestructura verde en la disminución del riesgo de inundaciones urbanas en el Cantón Durán, Provincia del Guayas.”

  • ​Projeto de dissertação de mestrado com o título, Participatory Stormwater Management, Quito, Ecuador. Vencedor do Prémio Hester de Democracia Ecológica 2012 da Universidade da California, Berkeley.

  • ​Consultor no “Estudo e Proposta Integral de Desenho Urbano, Paisagista, Arquitetônico, Técnico e Artístico para a Recuperação de 5 Tanques de Agua como Equipamento Público para a Comunidade de Mapasingue, Guayaquil”, Equador.

  • ​Consultor no “Projeto de Estudos Integrais de Atualização e Redesenho do Sistema Hospitalar Docente da Universidade de Guayaquil”, Equador.

  • ​Consultor no projeto do “Parque da sede da UNASUR”, Quito, Equador.

 
  • Preto Ícone LinkedIn
cruzesousa@gmail.com
Tel: (21) 98919-2040